Um livro sobre canibais que não me alimentou/A book about cannibals that did not feed me

Caetano W. Galindo é um dos principais tradutores literários brasileiros. É dele, por exemplo, a premiada tradução do livro “Ulysses”, de James Joyce, ao português. Eu confesso que tentei, por duas vezes, ler o “Ulysses”, mas não passei da página 25. No entanto, reconheço o mérito do Galindo como tradutor, pois ele foi capaz deContinuar lendo “Um livro sobre canibais que não me alimentou/A book about cannibals that did not feed me”

Um livro que chora a morte de crianças às vésperas do Natal/A book that cries the death of children at Christmas time

A infância é o futuro de uma nação. A infância, no Brasil, está em crise. O futuro, ameaçado. Esta é a mensagem do mais recente livro do premiado autor pernambucano Raimundo Carrero. Termino agora de ler “Estão Matando Os Meninos” e carregarei comigo um nó no estômago pelas longas horas e dias que cabem nesteContinuar lendo “Um livro que chora a morte de crianças às vésperas do Natal/A book that cries the death of children at Christmas time”

Eu estou de Chico. De Buarque. De Música e de seu último livro: “Essa Gente”/I am menstruating Chico Buarque´s latest novel

Eu estou sempre de Chico. E de Buarque. E de Holanda. Na música e na literatura. Acabo de ler o mais recente livro de Chico Buarque, Essa Gente”, escrito em forma de diário, de cartas, quase como se fosse um blog narrativo. É um enredo bem-humorado, sensual e dramático. Mas, comparado a outros romances deContinuar lendo “Eu estou de Chico. De Buarque. De Música e de seu último livro: “Essa Gente”/I am menstruating Chico Buarque´s latest novel”

A poesia de Manoel de Barros me apagou: virei só cabeça e asas/Manoel de Barros´ poetry has erased me: I am now just my head and my wings

Estou dando passos gasosos e líquidos após ler poemas do mato-grossense Manoel de Barros. Após um mergulho em seu livro “O Guardador de Águas”, o leitor perde a conexão com o concreto, com a pedra, com o chão. A gente vira só cabeça e asa, os olhos só sabem olhar para baixo, pois Manoel deContinuar lendo “A poesia de Manoel de Barros me apagou: virei só cabeça e asas/Manoel de Barros´ poetry has erased me: I am now just my head and my wings”

No último livro de Carlos Heitor Cony, a ficção está acima de todos/In Carlos Heitor Cony´s last novel, fiction is above all

Eu gosto de livros que misturam ficção com realidade. Livros que questionam os fatos históricos e acrescentam neles personagens, motivações e diálogos. A literatura é livre para brincar com a realidade, para torná-la mais real ao ficcionalizá-la. Por isso, gosto tanto do filme “Bastardos Inglórios”, do Tarantino, no qual o diretor americano reescreve a História,Continuar lendo “No último livro de Carlos Heitor Cony, a ficção está acima de todos/In Carlos Heitor Cony´s last novel, fiction is above all”

Não Lerás País Nenhum/You Shall Read No Country-

George Orwell escreveu a distopia “1984” quarenta anos antes do ano que dá título ao livro, na década de 1940. Nos anos 80 do século vinte, Ignácio de Loyola Brandão escreveu uma distopia cujo enredo se passa em São Paulo em um futuro que poderia ocorrer quarenta anos após a publicação. Se você fizer asContinuar lendo “Não Lerás País Nenhum/You Shall Read No Country-“

Inspire-se e Pire-se com Livros/ Get yourself inspired and go wild with books*

Estou isolado desde março de 2020. Sem sair à rua, sem andar na calçada, sem sentir o cheiro da fumaça dos ônibus, sem entrar no banco, sem esperar na fila do pãozinho na padaria, sem apertar a mão de alguém. Estou mascarado. Sinto o hálito no meu rosto. Sinto minha unha crescer, meu cabelo embranquecerContinuar lendo “Inspire-se e Pire-se com Livros/ Get yourself inspired and go wild with books*”

Um livro russo que faz o ato de ler ser uma maratona no streaming/ Reading this Russian novel is like binge watching a streaming series

Li o romance “Oblómov” como quem assiste a uma série na Netflix. Escrito no século 19 pelo russo Ivan Gontcharóv, Oblómov é um sujeito que vive os últimos suspiros da nobreza na Rússia, que usufrui o privilégio  de ter servidores em sua casa. Mas que, enquanto o país se transforma, enquanto a nobreza vai desaparecendo,Continuar lendo “Um livro russo que faz o ato de ler ser uma maratona no streaming/ Reading this Russian novel is like binge watching a streaming series”

Um Livro no qual a Justiça não é justa

O melhor presente que alguém pode me dar é sempre um livro. Em meu aniversário deste ano, o professor Ramildo Miguel, meu amigo e colega, me presenteou com um autor baiano que me agradou bastante: Itamar Vieira Junior, autor do romance “Torto Arado”. Em uma linguagem enxuta, sem perder o lirismo, Itamar Vieira descreve aContinuar lendo “Um Livro no qual a Justiça não é justa”

O Cândido, de Voltaire, é um bom adubo para o nosso jardim

Um jardim é um espaço planejado para a exibição de plantas e flores. Um jardim tem as cores e o cheiro de quem o planta. Um jardim pode exalar perfume ou odores fétidos. O jardim é a metáfora de Cândido, protagonista de mais um romance que acabo de ler durante a quarentena que me temContinuar lendo “O Cândido, de Voltaire, é um bom adubo para o nosso jardim”