Fui entrevistado em Podcast sobre conto de meu livro/I was interviewed on a Podcast on a short story of my book

Entrou no ar hoje em um dos principais podcasts de literatura, “O Prazer de Ler”, um programa comigo, no qual falo do meu conto “Implacável Placar” (inspirado no jogo do 7×1 entre Brasil e Alemanha). O conto está publicado no meu livro “O Livro que não Escrevi”. O programa ficou bem legal.

Para ouvir o conto e a entrevista em computadores, notebooks e desktops, recomendamos esse link: https://anchor.fm/oprazerdeler/episodes/Episdio-18–Segunda-Temporada–Contos–Implacvel-placar–Anderson-Borges-Costa-e149t8a

Para ouvir o conto e a entrevista em celulares e tablets, recomendamos esse link:

Episódio 18. Segunda Temporada. Contos. Implacável placar. Anderson Borges Costa https://open.spotify.com/episode/2Q0p5pnrgVUBqU9medjIkb

English – It went on air today on one of the main literature podcasts, “O Prazer de Ler”, a program with me, in which I talk about my short story “Implacável Placar” (inspired by the 7×1 soccer game between Brazil and Germany). The story is published in my book “O Livro que não Escrevi” (The Book I Never Wrote). The program was really cool.

To listen to the story and the interview on computers, notebooks and desktops, we recommend this link: https://anchor.fm/oprazerdeler/episodes/Episdio-18–Segunda-Temporada–Contos–Implacvel-placar–Anderson-Borges-Costa-e149t8a

To listen to the story and the interview on cell phones and tablets, we recommend this link:

Episode 18. Season Two. Tales. Relentless scoreboard. Anderson Borges Costa https://open.spotify.com/episode/2Q0p5pnrgVUBqU9medjIkb

O livro “Quarto de Despejo” nos faz sentir a fome cotidiana da sobrevivência/The book “Child of the Dark” makes us feel the daily hunger for survival

Sobre o legado de Carolina Maria de Jesus: "antes de falecer, ela me deixou  uma carta para que eu propagasse a memória dela" - Vogue | Vogue Gente

Quando estamos cansados, procuramos no quarto o descanso. Contra os pesadelos do cotidiano, vamos ao encontro do sonho no quarto. O quarto é, portanto, a moradia do aconchego, do amor, do prazer e da revitalização. É no quarto que nascemos. E renascemos todos os dias. No entanto, para a escritora Carolina Maria de Jesus, negra e favelada, o quarto é o lixo, é a fome, é a violência que batem diariamente à sua porta e que ela registrou com incrível realismo no livro “Quarto de Despejo, Diário de uma Favelada”. Livro para lermos no quarto. Leitura transformadora, que se transformou em “best seller” traduzido para 13 línguas.

Escrito na linguagem do dia a dia, sem concordância nominal ou verbal, na concordância do pobre, na concordância dos que passam fome, dos que precisam catar papel na rua para garantir pelo menos uma refeição a cada dia, o diário de Carolina Maria de Jesus cobre 4 anos e meio de sua luta cotidiana por comida, para sustentar sozinha seus três filhos em um quarto na Favela do Canindé, à beira do rio Tietê, entre 1955 e 1960. Ironicamente, a Favela do Canindé, lar de pobres marginalizados por uma egoísta  sociedade capitalista, foi destruída e despejou dali seus sofridos moradores, para dar lugar  à construção de uma avenida na cidade de São Paulo batizada com o nome de … Marginal.

English – When we are tired, we look for rest in the bedroom. Against everyday nightmares, we find the dream in the bedroom. The bedroom is, therefore, the home of coziness, love, pleasure and revitalization. It is in the bedroom that we are born. And we are reborn every day. However, for writer Carolina Maria de Jesus, black and slum dweller, the bedroom is garbage, hunger and violence that knock daily on her door and that she recorded with incredible realism in the book “Child of the Dark”, (the literal translation from the original title in Portuguese would be “Junk Bedroom”). This is a book for us to read in the bedroom. Transformative reading, which became a bestseller translated into 13 languages.

Written in everyday language, no formal vocabulary or structures, in the language of the poor, in the language of those who are hungry, those who need to pick up paper from the street to guarantee at least one meal each day, Carolina Maria de Jesus’ novel covers 4 and a half years of her daily struggle for food, to support her three children alone in a room in Favela do Canindé, on the banks of the Tietê River, between 1955 and 1960. Ironically, Favela do Canindé, home to poor people marginalized by a selfish capitalist society, was destroyed and evicted its suffering residents, to make way for the construction of an avenue in the city of São Paulo baptized with the name of … Marginal Avenue.

Meu conto inédito “A Porta” é publicado na revista “Caxangá”/My new short story is published in magazine “Caxangá”

Meu conto inédito “A Porta” foi publicado na revista de arte e crítica “Caxangá”. Trata-se da história de um ambicioso executivo e suas estratégias pouco escrupulosas de sedução e farsas para obter promoções na empresa em que trabalha. Ele se esconde atrás de disfarces pelo medo de revelar suas reais vontades. Clique no link da revista; o conto “A Porta” está nas páginas 55-61. Boa leitura!

English – My new short story “A Porta” (“The Door”) was published in the art and critic magazine “Caxangá”. It is the story of an ambitious executive and his unscrupulous strategies of seduction and farce to get promotions in the company he works for. He hides behind disguises for fear of revealing his real wishes. Click on the magazine link; the short story “The Door” is on pages 55-61. Enjoy!

A crônica de uma casa de horrores/The Chronicle of a House of Horrors

CRÔNICA DA CASA ASSASSINADA - - Grupo Companhia das Letras

Uma crônica é um texto curto e leve que trata de acontecimentos corriqueiros do cotidiano e que, por isso, geralmente têm uma “vida curta”. No entanto, acabo de ler um livro que, apesar de receber a palavra “crônica” no título, nada tem de curto, de cotidiano, nem de superficial. O romance “Crônica da Casa Assassinada”, do mineiro Lúcio Cardoso, é o oposto do que se entende por crônica: é denso, pesado, com personagens desequilibrados psicologicamente e, justamente por tudo isso, um livro delicioso.

Lúcio Cardoso enfatiza neste enredo que o ser humano é complexo e difícil de ser explicado com coerência. A trama acompanha a outrora rica família Meneses, donos de uma casa grande onde se passa toda a história: três irmãos decadentes que não se dão muito bem e que moram juntos na casa herdada dos antepassados ricos. Hoje, já não mais abastados, acompanham a deterioração de suas vidas em paralelo com o desgaste da casa que habitam. Traições amorosas, ciúmes, incesto e morte: estes são os ingredientes que temperam os cômodos desta casa. É uma longa e perturbadora crônica (quase 600 páginas), escrita por um autor cuja vida não foi menos tranquila do que a história que narra neste imperdível romance.

English – A chronicle is a short and light text that deals with commonplace events in everyday life and, therefore, generally has a “short life”. However, I have just read a book that, despite having the word “chronic” in its title, is not at all short, everyday, or superficial. The novel “Chronicle of the Murdered House”, by Lúcio Cardoso, from Minas Gerais, is the opposite of what is meant by a chronicle: it is dense, heavy, with psychologically unbalanced characters and, for all that, a delicious book.

Lúcio Cardoso emphasizes in this story that the human being is complex and difficult to be explained with coherence. The plot follows the formerly rich Meneses family, owners of a large house where the whole story takes place: three decadent brothers who don’t get along very well and who live together in the house inherited from their wealthy ancestors. Today, no longer wealthy, they accompany the deterioration of their lives in parallel with the wear and tear of the house they inhabit. Love betrayals, jealousy, incest and death: these are the ingredients that spice up the rooms in this house. It is a long and disturbing chronicle (almost 600 pages), written by an author whose life was no less peaceful than the story he narrates in this must-read novel.

Quantos segredos se escondem sob a Montanha Brokeback/How many secrets are hidden beneath Brokeback Mountain?

Um segredo é algo que não deve ser revelado, é algo que deve permanecer velado, no escuro, sem a luz da vela. Um segredo é um sigilo, paralisado no gelo do silêncio, soterrado sob uma montanha de medos. O filme “O Segredo de Brokeback Mountain” é uma singela história de amor entre dois cowboys que se amam em segredo nas geladas montanhas do silêncio americano.

Com premiadas interpretações de Heath Ledger e Jake Gyllenhaal, vi neste filme uma forma discreta de amor homoerótico, um amor entre homens machos, sem cair em estereótipos efeminados. Talvez o secreto amor entre homens que não fazem questão de perder a virilidade seja o segredo que montanhas de preconceito não são capazes de enterrar. Vi este filme no cinema em 2005. E, ao revê-lo em 2021 na Netflix, vejo que o gelo das montanhas que tentam calar a beleza deste amor ainda não derreteu. Um belo filme.

English – A secret is something that must not be revealed, it is something that must remain veiled, in the dark, without candlelight. A secret is a secrecy, paralyzed in the ice of silence, buried under a mountain of fears. The movie “Brokeback Mountain” is a simple love story between two cowboys who love each other secretly in the icy mountains of American silence.

With award-winning performances by Heath Ledger and Jake Gyllenhaal, I saw in this film a discreet form of homoerotic love, a love between macho men, without falling into effeminate stereotypes. Perhaps the secret love between men who do not care to lose their virility is the secret that mountains of prejudice cannot bury. I saw this movie in the cinema in 2005. And when I saw it again now in 2021 on Netflix, I realized that the ice in the mountains that try to silence the beauty of this love has not yet melted. This is a beautiful movie.

Meu texto publicado hoje no jornal “Folha de São Paulo” poderá virar uma série da Conspirações Filmes/My text published today in newspaper “Folha de São Paulo” may become a series by Conspirações Filme

Coloco aqui no blog, em primeira mão para você que me segue, a boa notícia de que o jornal “Folha de São Paulo” selecionou um texto que eu escrevi para o Projeto “Casos do Acaso”, que consiste de histórias reais, não fictícias, fatos que ocorreram comigo em minha vida. O bacana do projeto é que o meu relato foi cedido para a Conspiração Filmes S.A, que poderá produzir uma obra audiovisual seriada composta por episódios baseados ou inspirados em meu texto.

O meu relato para o “Casos do Acaso” foi publicado na edição de hoje (domingo) do jornal “Folha de São Paulo”, no Caderno “Ilustríssima”. Se quiser lê-lo, clique aqui: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/casos-do-acaso/2021/06/encontrei-minha-esposa-depois-de-casar-com-outra-em-uma-festa-junina.shtml

English – I post here on the blog, first hand for you who follow me, the good news that the newspaper “Folha de São Paulo” selected a text that I wrote for the “By Chance” Project, which consists of real, non-fictional stories, facts that happened to me in my life. The cool thing about the project is that the text was given to Consórcio Filmes S.A, which may produce a serial audiovisual work composed of episodes based on or inspired by my text.

My story for “By Chance” was published in today’s edition (Sunday) of the newspaper “Folha de São Paulo”, in the “Ilustríssima” session . If you want to read it, click here: https://www1.folha.uol.com.br/colunas/casos-do-acaso/2021/06/encontrei-minha-esposa-depois-de-casar-com-outra-em-uma-festa-junina.shtml

Canal do Youtube analisa meu livro de contos/Youtube Channel analyzes my short story book

Entrou no ar agora no canal do Youtube “A Liter Ação”, uma resenha sobre o meu livro de contos “O Livro que não Escrevi”. O escritor e  crítico Roman Lopes faz uma análise bacana do livro. Espero que curtam. Para assistir ao vídeo, cliquem neste link: https://www.youtube.com/watch?v=DxqwNpRCruE 

English – A review of my short story book “O Livro que não Escrevi” (“The Book I Never Wrote”) is now on the air on the Youtube channel “A Liter Ação”. Writer and critic Roman Lopes makes a nice analysis of the book. I hope you enjoy it. To watch the video, click on this link: https://www.youtube.com/watch?v=DxqwNpRCruE 

Entrevista comigo em “Live” no Instagram, segunda-feira, 7 de junho, às 19h00/”Live” interview with me on Instagram, Monday, June 7th, 7:PM

Segunda-feira, às 19h00, serei entrevistado pelo jornalista Maurício Kanno (ex-Folha de São Paulo) em uma “live” no Instagram. Fica aqui meu convite para acompanhar a entrevista.
https://www.instagram.com/p/CPgbH0aHNdO/?utm_medium=share_sheet

English – On Monday, June 7th, at 7:00PM (São Paulo time), I will be interviewed by journalist Mauricio Kanno (former Folha de São Paulo) on a live talk on Instagram. I will be happy to see you there. https://www.instagram.com/p/CPgbH0aHNdO/?utm_medium=share_sheet

Os Contos do Moçambicano Mia Couto escondem um mundo que levita/Mozambican Mia Couto ́s short stories hide a world that levitates

Contos do nascer da terra

O escritor moçambicano Mia Couto é um construtor de esconderijos. O mais popular autor de seu país escreve em português, uma língua que se esconde entre tantas outras nesta sofrida terra na costa leste africana. Em português, Mia Couto escreve segredos, que ele faz questão de esconder dentro de contos. Mia Couto escreve contos em prosa. Uma prosa que se disfarça de parágrafos. Mas o que Mia Couto realmente faz é escrever poesia em parágrafos, versos em histórias, estrofes em contos que são verdadeiros poemas. Dizer que Mia Couto escreve em prosa poética é omitir que ele escreve poemas que se escondem dentro de uma prosa em trevas.

Seu livro “Contos do Nascer da Terra” mantém vivo o estilo consagrado de Mia, com enredos de personagens fantásticos, narrados com neologismos que são tecidos com palavras que deslocam o sentido original para apontá-las para um destino escuro e infinito, sugerindo metáforas que devolvem seu sentido original. Mia Couto esconde uma palavra atrás dela mesmo.

Os trinta e cinco contos deste livro são um convite para o leitor levitar em histórias de personagens que amam, que traem, que sofrem, que morrem e que pensam que viver é muito perigoso. Leitura para quem gosta de flutuar na terra. 

English Mozambican writer Mia Couto is a builder of hiding places. The most popular author in his country writes in Portuguese, a language hidden among so many others in this long-suffering land on the East African coast. In Portuguese, Mia Couto writes secrets, which he makes a point of hiding inside stories. Mia Couto writes short stories in prose. A prose that disguises itself as paragraphs. But what Mia Couto really does is write poetry in paragraphs, verses in stories, stanzas in short stories that are true poems. To say that Mia Couto writes in poetic prose is to omit that he writes poems that are hidden within a prose in darkness.

His short story book “Contos do Nascer da Terra” (“Tales from the Earthrise”) keeps Mia’s acclaimed style alive, with plots of fantastic characters, narrated with neologisms that are woven with words that displace the original meaning to point them towards a dark and infinite destiny, suggesting metaphors that recover their original meaning. Mia Couto hides a word behind itself.

The thirty-five short stories in this book are an invitation for the reader to levitate on stories of characters who love, who betray, who suffer, who die and who think that living is very dangerous. This is a book for those who like to float on Earth.

Estreia da minha coluna “Quebrada que Brada” na “Revista da Quebrada”/My New Column in Magazine “Revista da Quebrada”

Olá!  Acaba de sair a mais recente edição da “Revista da Quebrada”, uma publicação com foco na vida cultural da periferia. Nesta edição, estreio a minha coluna “Quebrada que Brada”, que pretende dar voz à literatura feita sobre a periferia. Se quiserem ler a minha coluna deste mês, na qual bato um papo com o poeta César Magalhães Borges, cliquem no link https://linktr.ee/revistadaquebrada e depois em “Revista da Quebrada 9 Edição”. Boa leitura!  

English – Hello! The latest issue of magazine ‘Revista da Quebrada” has just been released. The magazine is focused on the cultural life produced in the outskirts of Brazilian cities. This month I start my column “Quebrada que Brada”, whose goal is to approach literature written about the outskirts. If you wish to read my column in this month’s issue, just click on https://linktr.ee/revistadaquebrada and then on “Revista da Quebrada 9 Edição”. Enjoy!

%d blogueiros gostam disto: